Páginas

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Quando crianças...

Quando crianças percebiam
a vida apenas em viver,
Adolescentes confusos
precisam descobrir seu ser,
Adultos tolos lutando
sob o mundo ao entender,
Que tudo não passava de um tempo
em que se deve sobreviver.
Sentir, Temer, Amar, Sofrer,
Sorrir, Doar, Chorar, Crescer,
Olhos torpes
iludidos humanos,
Facinados em sobreviver
Olhos torpes e cansados
Humanos tolos fascinados,
esqueceram de viver.


(†_+).

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Regras?

Não existe uma regra, não há definição apenas vivências... tanto a experiência pode gerar o experimento como experimento pode gerar a experiência... existem mil e uma maneiras de subir numa arvore e mil e uma para descer... depende de cada um... e de cada arvore... não acredito que as arvores estejam discutindo filosofia, más, imagino que elas vivam tudo que nunca saberemos discutir.
É fácil enxergar o limite da visão do outro com nossa visão limitada. Um cego guiando outro cego ambos caem no buraco. E quem poderá ver? Não existirá nada que tenha uma real e única definição, nenhum fato? ainda que não possamos nós mesmos definir? +.+











"Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á.
 Porque, aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra; e, ao que bate, abrir-se-lhe-á."

Mateus 7:7-8

Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á.
Porque, aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra; e, ao que bate, abrir-se-lhe-á.

Mateus 7:7-8
Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á.
Porque, aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra; e, ao que bate, abrir-se-lhe-á.

Mateus 7:7-8
Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á.
Porque, aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra; e, ao que bate, abrir-se-lhe-á.

Mateus 7:7-8

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

n o s t a l g i a

Ei, alguéns podem me dizer-me?
me digam-me a mim todos nós mesmos!
Por onde andemos, por onde percorremos?
Por onde a andar estamos, deslizando no tempo que não se percebe?

Voltas e mais voltas,
delírios e mais delírios...
Risos e mais risos, ficando pra outróra...
hora..
ora..

Oremos...
Juntemos as palpebras, mergulhemos no escuro iluminado
dos olhos fechados que tudo são capazes de ver,
no entanto ainda cegos permanecem...

Passear pelos vales e picos das ondas sonoras que criamos.
Em passos dançados por palavras improvisadas em curvas desconhecidas.
Ventos e linhas a esmo perdidas vagando entrelinhas de lãs de inverno.
Climas multipolares, derretendo o céu em chuva de nevada de nuvens em chamas,
onde as toras anseiam a gloriosa hora da tsunami e do terremoto que finalmente as libertarão!

A despreocupação com a lingua...
que se reconhece tola, hipócrita, falsa, egoísta e imunda!
Sendo assim para que os conceitos linguisticos me servirão mesmo?

Poupem-se de responder as perguntas.. apenas venham...
Cruzem a ponte,... acentem na embarcação...
Velas acesas, os de alumiar nossas antigas e futuras idéias!
Navegar por aquarelas em preto e branco,
Em retratos cianos, de magentas rebeldes a se tornando um oceano

Borrões de antigos aniversários, laços de amizade e família,
pralém dos refrigerantes e das gastrites de um comercial de natal,
Aquele dia que um tapa mudou sua vida.

Aquele azar que você nunca soube que te livrou da sepultura.
Aquela pessoa que você nunca conheceu porque ela não ia significar nada pra você.
Aquilo que acontece quando você ia dizer um oi, mas explode feito poesia brotando em solo seco.
Aqueleszuns, dois e três segundos contados aos sussurros nos lábios antes de você cometer um grande erro.

Aquele erro que errou.
Aquele que não errou.

Acertos são marginais.

Todas as idéias que você não teve por não ir por aquele caminho que você escolheu não ir.
Tudo que você não disse porque escreveu, e não escreveu porque disse..
E por todo silêncio que você não escutou por tudo aquilo que não soube dizer!

Um grito.
Bem alto, um grito.

A cama molhada de sonhos que a insonia e a teimosia não te permitiram sonhar.
A barriga vazia por ter vomitado tudo aquilo que não conseguiu digerir.
Um galho. Um mergulho. Um abraço.

Um copo d`agua.

Um colo. Um carinho.
Um sussurro do irmão.

Aaaaaah!!!!!
O grito agudo de alegria de uma menina.

Um pipa no céu.
Dançando e eu nem precisava dizer.

Tudo o mais...
Tudo o menos...

...

00:46
01.11.2012



bem assim como sempre..


nostalgia







(+_+).

sábado, 1 de setembro de 2012

Entre Entranhas & Entrelinhas...

9h57 - 31.08.2012

Palavras Múltiplas,
Um milhão de formas,
Verbos nos trazem ação,
Movimento, pulso, experiências.
As cores desbotam no chão,
O concreto cobre a terra,
Feito coberta sob o solo,
todo o chão em chamas,
toda a terra arde por dentro.
Acabada em sua imagem, mas
Discretamente viva para um atento.
Os minutos passam e as flores
permanecem nas entrelinhas,
Mas preparadas,
prontas para tomar de assalto
o mundo dos homens,
E devolver à vida os significados
esquecidos por eles (+_+).

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

À Procura...

20.07.2012 - 2h 1/2, xyz

Tenho procurado ela por ai.
Sem querer me pego querendo-a.
Sem querer a quero.
Quero. E quero não
Ver, esperar, perceber...
Cada passo sóbrio é equivocado
Te quero em consciência
Mas não te quero notar.
Ah mas quero...
Ah mas espero...
Procuro, noto...
Te exijo, parte de mim.
Me exijo pra ti, só teu.
Só teu também, só teu.
Também só,
o tempo todo passo aqui em solidão.
Despercebo a percepção
que devia ter em mim.
Me despeço do eu sozinho.
Mas ainda me quero assim.
E por te querer ainda mais,
Abro mão de mim.
E por ai, te acho ainda
Sem querer,
Te querendo tanto,
quanto,
Já te amo (+_+).

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

E hoje...

...eu passei o dia inteiro fazendo você se apaixonar por mim.

E tudo isto pelo simples fato de eu estar apaixonado por você (+_+).































ps: posso te amar,
só por hoje?


pps: o verso será repetido 365 vezes mais que o grande clássico "volta o cão arrependido"

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Doce Palavra

09.08.2012 - 01h46

É da Palavra que preciso.
Sem ela desabo, fragilizado,
como um animal sem alimento.
Franzino, desalento, em meu fecho,
me encerro como num casulo duro,
lagarta cinzenta, em teu inverno, violenta,
tão tola, estúpida, ignorante...
[pausa]
Gesticulo,
Sem Palavra não dá pé,
Não dá verso,
Sem verbo envergo,
entre juntas imaginárias de entrelinhas reluzentes,
procurando tuas sílabas, tuas notas, teus acentos,
tuas pausas, teu parágrafo, teu traço
Tua Afirmação, Tua Indagação, Tua Exclamação!
tua traça, teu compasso...
Significado e ritmo,
vírgula, regra, tua lei, quebrada e corrompida,
estilhaçada, rompida em chamas...
ultrapassada...
pelo amor, da Tua Palavra...
E em poesia reafirmada,
pela consciência serena da tua doce narrativa,
Da boca acesa em brasa amena,
profanando tão só a injustiça, o palavrão e o coração de pedra,
Quando transborda, além do véu, além do pseudo homem,
um dizer maior que o mundo, que o estado e a revolução...
Esparramando sementes férteis no ermo,
Doce mel incendiado,
jorrando doce e quente,
o gosto suave e gentil de tuas palavras,
tua paixão, ardente em seus lábios,
Me enche a página de anseio,
o coração de luz e fruto,
meu vazo em azeite até a boca de um desejo,
por Teus abraços e beijos
Deus meu!
por Teus abraços e beijos.


(+_+).









No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
Ele estava no princípio com Deus.
Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.
Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens.
E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam. 
João 1:1-5


quarta-feira, 4 de julho de 2012

No meio do caminho tinha uma pedra.


Tinha uma pedra no meio do caminho.


Desviei, e segui viajem.




(+_+).

segunda-feira, 25 de junho de 2012

O Nascimento do Impossível

14:09 - 15.05.2012

O tempo é frio.
Do solo emergem gigantes de concreto que parecem vir pra estar
eternamente adormecidos.
Pela janela do trem a paisagem passa devagar
Velhas igrejas, fabricas,
por plantas tomadas, vazias
Paradas no tempo
tornam-se memórias
de uma civilização distante.
Versos desbotam desesperança
O agora não é mais presente.
O agora já não é,
nem nunca foi,
nem nunca será.
O agora foi sempre o ontem.
Sempre o outrora,
Um amanhã eterno,
que nos escravizou a um futuro inexistente.
Grãos. Novamente grãos.
Multiplicados no chão,
disseminados, flagelados,
fragmentados,...
A massa do pão sem fermento,
Por baixo das imagens
imaginação editada.
Por trás da imaginação
moinhos de vento obsoletos.
Gigantes que permanecem imóveis.
Não respiram. Não enxergam.
Não se movem. Apenas reinam.
Nos subjulgando junto a paisagem de um velho horizonte de papel.
Por entre as artérias de asfalto e concreto.
Esgoto de hipocrisias escorre feito sangue...
Que por trás do solo penetra a terra.
ainda úmida.
Sangue de outros séculos,
Que tornou o solo fértil,
por entre raízes carbonizados,
frutas estragadas,
A luz do crepúsculo,,
mascaradas pela jaula,
penetrou na sela,
e atingiu amada terra.
Vermelha e Quente.
No forro fóssil de sonhos imortais
uma semente ainda se aquece.
Uma semente permanece.
Se esconde. Resiste.
Clandestina.
Mas ainda viva.
A espreita se sua hora,
repousa alerta em doce ventre.
No colo vigilante no tempo.
Que no mais leve movimento.
Do solo sangue quente emerge.
Trazendo a Luz o velho Reino,
trazendo a Luz o Novo Mundo,
O nascimento do impossível
em meio a frágil história,
Só pode vir por ser eterno.
Amor insurgente.
Veio pra ficar.
Doce e real Revolução (+_+).

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Por Que Apenas Um Sonho?


4h53 – 11.06.2012

Loucura.
O que é loucura afinal?

Amar...
Acreditar que se ama?
Sonhar...
Acreditar que se sonha?
Ou verdadeiramente Sonhar?
Ou verdadeiramente Amar?
Por que as perguntas vêm sempre em maior quantidade, e como um rio que transborda em incessante tempestade, atinge e arrasta toda e qualquer resposta que havia lhe ocorrido?
O ciclo mecânico de todo esse organismo, faz a máquina parecer viva.
Essa camada de cinza embaça a vista, até quase cegar. Faz a gente ver os sonhos parecerem falsos, e ver a grande máquina parecer viva. Faz a gente se ver fraco, e ver a grande máquina parecer indestrutível.
Aí essa cortina de fumaça envolve do olhar ao coração, e nos ilude que até o que sempre sonhamos ou ainda nem descobrimos, parecer nunca ter sido mais apenas perecível.
Mas será possível?
Como pode ser tudo tão volátil?
Tudo tão solúvel?
Como pode tudo isso...
Ser tão destrutível?
E ai a gente anda pra trás, e acha isso normal.
E nos afogamos sem sair da superfície.
Matéria plástica, superficial.
Matamos e morremos e nos entregamos à falsa razão e a falsa moral, tão bruta e tão real,
que até nos esquecemos de esquecer que de nada sabemos.
Aí, convictos vomitamos, certos e corretos depositamos, todo esse tédio e repulsa ao repousar nos travesseiros cabeças vazias de sonhos,  todos destruídos, sufocados...
Venderam toda a utopia, só nos restou os pesadelos.
Sombras pesadas, colheres de sopa de pedras amargas,
Concreto pré fabricado, diante do abstrato entardecer edificado...
Tapando o céu com o chapéu e o sol com asneiras,
Fazendo seus planos, poesias e versos virarem besteiras.
Vida adulta, preparem o escritório dessa criança. Logo ela vai crescer. Abram logo sua poupança.
Levem-na ao curso introdutório, de sapatos, gravata, por salto, crescer...
Sem mais bonecas, carrinhos, amarelinha ou TV.
Doces, olhos de brilhantes? há, sem essa pô, da carie, pra quê?
Hora do reformatório, esteja pronto pro escritório!
Hora de largar a frauda, ser pessoa séria,
Sem cegonha, nem fada, nem anjo, meu anjo...
Hora de você crescer!
Se te enforcar a gravata? Se apertar o salto?
Não se perturbe você se adapta, vais se acostumar é só questão de habito.
Se na esquina você escutar, “Mãos ao Alto! Isto é Enquadro! Um Assalto!”
Não se indigne nem lamente sua morte...
Se te roubarem a infância, e assassinarem tua inocência, estuprarem teus sonhos,
não lamente por sua criança... Já que de muitas ainda dispomos.

Pense na pena de morte que ao criminoso impomos.
Matamos. Sim. Sem dó. Matamos.
Só não se esqueça de esquecer...
Que já não há vigília, pois não há amanhecer.
Pois que já estamos condenados, afinal no fim das contas
todos mesmo irão morrer.



Pobre criança.
Sonhou em brincar, mas desejou crescer.












PARE. PISQUE. PERCEBA.





Volte criança, volte...
nunca é tarde pra viver!

(+_+).

domingo, 10 de junho de 2012

Sopro


Este assobio é justamente aquilo que preenche meu vazio.
Este assobio é justamente Aquilo que vive em mim...
Não um deus de madeira, criação, metal, cera, pedra, nem religião...
nem um deus mercado, matéria, dinheiro,... nem drogas, ego, mentira, nem o outro,
nem cobiça, controle, vício, vaidade...
Mas como esse som... discreto, explícito e sutil...
vem, quando se corre contra o vento!
no angulo certo...
...tal acaso perfeito... ?
Como Seu espírito, Ele está fora e está dentro,
vem através e ao redor de nós...
Como o Amor, a Liberdade, e os significados que não tem palavras!
O Paradoxo! Por Todos os Lados! O Incompreensível! O Irredutível, Impossível e Ilógico!
Esse Assobio que preenche meu Vazio...
Me Edifica,
Me Atravessa,
Transpassa, sim.
Me Incendeia! Me Restaura!
Move.


Meu Sopro de Vida!






...EEEEEEEEEEEEEEEEE!!!!                                                                                                            (+_+).

quarta-feira, 6 de junho de 2012

A Religião do Ódio




Então vou explicar pra quem estiver disposição para entender. 


O problema não é o Automóvel, mas sim o que os homens fizeram e fazem dele.
O problema não é a tecnologia, mas sim o que os homens fizeram e fazem dela.
O problema não é a busca da cura pro câncer, é a industria farmacêutica.
O problema não é a bíblia, mas sim o que a religião fez dela.

Não basta pegar um verso como fazem, tanto ateus como religiosos e tomar como fonte unica a ser seguida, fazer isso é como pegar um capítulo e julgar to o conteúdo de um livro, se você lê, tem esse habito vai saber que é bem tolo, e ignorante, imagina um cara dizendo, eu li Rei leão a conclusão é que o Mufasa morre. e o irmão dele assume o trono, haha é bem isso que fazem e fizeram... e ainda tipo fazerem camisetas da morte do Mufasa, e tornarem essa versão minuscula uma seita de fãs e afãs do livro, ou melhor, do capítulo mal lido, porque vocês julgam sem conhecer nem entender nem mesmo o que poderia se considerar um capítulo.
A bíblia tem muitas coisas bizarras que fazem parte dos relatos do que foram e são os seres humanos. Isso não significa que o que tem de relato são mandamentos ou ordens sociais, além dos 10 mandamentos* e da Nova lei (que é a quebra dos 10 mandamentos pela prática através da prática "Amai-vos uns aos outros") além disso são relatos, exemplos bons e ruins, coisas que a humanidade faz e já fez, ou poderia fazer, testemunhos, etc...
Não é porque tem um testemunho uma história que deve ser necessáriamente seguido, mesmo porque tem exemplos muito nítidos de assassinatos, traições, opressões, etc etc... Tomar o versículo sem discernir o Todo e minimamente o Espírito é tão vazio quanto ler aquela página do livro que falei e sair por ai dizendo o que acha do livro que não faz idéia do verdadeiro conteúdo.

Os 10 mandamentos é como se fossem uma lei social, o mínimo para se constituirem um povo, uma sociedade, sendo que antes deles eram escravos, então não tinham dignidade, aqueles que nascem escravos perdem a capacidade em geral de discernir a opressão, e se reconhecer como povo autonomo, assim vem os 10 mandamentos com Moisés, e através da lei, montam a sociedade judaica. Porém a Lei (como sempre) é vazia por si mesma, sem a consciência e a lei é desrespeitada, então, depois de muitas mortes e da história da humanidade como conhecemos, vem um tal Jesus, e diz, - "Vos trago uma nova lei, amai-vos uns aos outros", porque através dessa prática, do Amor, simplesmente as outras coisas acontecem, segundo a consciência do Amor, não é necessário mais Lei na sociedade, só essa filosofia, doutrina, e dentro disso as pessoas não iam mais matar umas as outras, nem roubar-se nem oprimir-se, nem talaricar-se etc... é uma doutrina de amor... dito Reino de Deus... Reino.. seria o que reina o que está sobre todas as coisas.. Deus sendo amor.. Reino de amor.. Onde o Amor prevalece e não o homem, o dinheiro, o egoismo etc como é hoje.

Dou-vos um novo mandamento: Amai-vos uns aos outros. Como eu vos tenho amado, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros. João 13:34

Eis a terra descrita se ela seguisse essa "revolução" de amor:
O lobo viverá com o cordeiro, o leopardo se deitará com o bode, o bezerro, o leão e o novilho gordo pastarão juntos; e uma criança os guiará.
A vaca se alimentará com o urso, seus filhotes se deitarão juntos, e o leão comerá palha como o boi.
A criancinha brincará perto do esconderijo da cobra, a criança colocará a mão no ninho da víbora.
Ninguém fará nenhum mal, nem destruirá coisa alguma em todo o meu santo monte, pois a terra se encherá do conhecimento do Senhor como as águas cobrem o mar. 
Isaías 11:6-9

Mas, se vocês são guiados pelo Espírito, não estão debaixo da lei. Gálatas 5:18

Os Judeus se achavam um povo especial e escolhido por Deus durante muito tempo, Jesus foi crucificado por eles, assim como muitos profetas antes de Jesus foram apedrejados, decapitados, etc... pelos mesmo motivos, porque traziam uma nova mensagem, algo político, social, muito além dos templos e religiões e sacrifícios, uma revolução revolucionária onde os homens e mulheres são iguais e o mais fracoe o mais forte não se oprimem

O Altíssimo, porém, não habita em casas construídas por mãos humanas. Como diz o profeta:
O céu é o meu trono, e a terra o escabelo dos meus pés. Que casa me edificareis vós?, diz o Senhor. Qual é o lugar do meu repouso? 
Atos 7:48-49

De que me serve a mim a multidão de vossos sacrifícios, diz o SENHOR? Já estou farto dos holocaustos de carneiros, e da gordura de animais cevados; nem me agrado de sangue de bezerros, nem de cordeiros, nem de bodes.
Quando vindes para comparecer perante mim, quem requereu isto de vossas mãos, que viésseis a pisar os meus átrios?
Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação, e as luas novas, e os sábados, e a convocação das assembléias; não posso suportar iniqüidade, nem mesmo a reunião solene.
As vossas luas novas, e as vossas solenidades, a minha alma as odeia; já me são pesadas; já estou cansado de as sofrer. 
Isaías 1:11-14

O espírito do Senhor Deus está sobre mim; porque o Senhor me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos; 
Isaías 61:1

Agora, vocês que são ricos, escutem! Chorem e lamentem, por causa das desgraças que virão sobre vocês. 2 As suas riquezas estão podres e as suas roupas finas foram roídas pela traça. 3 Tanto o ouro como a prata de vocês estão enferrujados e essa ferrugem vai servir de prova contra vocês mesmos e vai devorar seus corpos como fogo. Vocês têm acumulado tesouros inutilmente, pois estes são os últimos dias. 4 Os trabalhadores que ceifaram os campos de vocês e não receberam seus salários, estão clamando. E o clamor dos ceifeiros foi ouvido pelo Senhor Todo-poderoso. 5 Vocês têm vivido aqui na terra uma vida de luxo e de prazeres. Vocês têm engordado a si mesmos, como animais que estão prontos para o matadouro. 6 Vocês têm condenado e matado pessoas inocentes, sem que elas lhes ofereçam nenhuma resistência. Tiago 5

A lei passa a ser só amor, e o templo passa a ser seu coração.
Foi feito assim porque o coração dos homens estava duro para compreender o Amor antes pela quantidade violência da sociedade da época, mas depois vem o Amor, mas até hoje ele não é compreendido nem aceito como podem perceber.

pois não tinham entendido o milagre dos pães. Seus corações estavam endurecidos. 
Marcos 6:52 (já pensou que isso pode representar a boa divisão entre as pessoas que alimenta a todos?)

Mas mesmo a sociedade judaica tinha muitas seitas assim como a nossa, tinham as Elites dominantes, as racistas, as segregacionistas, as revolucionárias que lutavam contra o império romano, e o povo no meio que trabalhava, pescava, era escravo etc..
Mas mesmo na aparente e prevalecente moral racista judaica é difícil julgar justamente por haverem partidos e classes diferentes, seria mesma coisa de simplesmente falar, os alemães são nazistas... sendo que muitos alemães foram mortos pelos nazistas, eram judeus, comunistas, anarquistas, anti-nazistas etc..

Mas só pra explicar o que veio a ser depois, os profetas foram mortos justamente por afirmarem que Deus escolhia justamente o povo que era marginalizado, e falavam mensagens de cunho social e incriminando as elites judaicas.

E pra finalizar há aqui versos posteriores apartir daqueles que foram perseguidos. Veja se dá pra criar um movimento nazista ou segregacionista, ou de odio, mesmo sendo a palavra "amor ao próximo"
O mínimo que vocês que questionam, e devem questionar, é achar isso estranho, amor e odio na mesma religião, não era pra ser assim não... mas as instituições assim como o homem, é corrupto. E não é a palavra, ou a bíblia, poderiam ter feito isso com qualquer coisa, pedaço de papel, lei, livros, músicas, personagens, com matérias, reportagens, e assim o fazem... enfim..
Dá pra ser racista, xenofobico, com isso?

Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça. 
João 7:24

Certa ocasião, um perito na lei levantou-se para pôr Jesus à prova e lhe perguntou: "Mestre, o que preciso fazer para herdar a vida eterna? "
"O que está escrito na Lei? ", respondeu Jesus. "Como você a lê? "
Ele respondeu: " ‘Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todas as suas forças e de todo o seu entendimento’ e ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’".
Disse Jesus: "Você respondeu corretamente. Faça isso, e viverá".
Mas ele, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: "E quem é o meu próximo? "
Em resposta, disse Jesus: "Um homem descia de Jerusalém para Jericó, quando caiu nas mãos de assaltantes. Estes lhe tiraram as roupas, espancaram-no e se foram, deixando-o quase morto.
Aconteceu estar descendo pela mesma estrada um sacerdote. Quando viu o homem, passou pelo outro lado.
E assim também um levita; quando chegou ao lugar e o viu, passou pelo outro lado.
Mas um samaritano, estando de viagem, chegou onde se encontrava o homem e, quando o viu, teve piedade dele.
Aproximou-se, enfaixou-lhe as feridas, derramando nelas vinho e óleo. Depois colocou-o sobre o seu próprio animal, levou-o para uma hospedaria e cuidou dele.
No dia seguinte, deu dois denários ao hospedeiro e disse-lhe: ‘Cuide dele. Quando voltar lhe pagarei todas as despesas que você tiver’.
"Qual destes três você acha que foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes? "
"Aquele que teve misericórdia dele", respondeu o perito na lei. Jesus lhe disse: "Vá e faça o mesmo". 
Lucas 10:25-37

Não julgueis, para que não sejais julgados.
Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós.
E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho?
Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu?
Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão. 
Mateus 7:1-5

Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me;
Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me.
Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber?
E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos?
E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te?
E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes. 
Mateus 25:35-40

"Bem-aventurados os pobres em espírito, pois deles é o Reino dos céus.
Bem-aventurados os que choram, pois serão consolados.
Bem-aventurados os humildes, pois eles receberão a terra por herança.
Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, pois serão satisfeitos.
Bem-aventurados os misericordiosos, pois obterão misericórdia.
Bem-aventurados os puros de coração, pois verão a Deus.
Bem-aventurados os pacificadores, pois serão chamados filhos de Deus.
Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, pois deles é o Reino dos céus.
"Bem-aventurados serão vocês quando, por minha causa os insultarem, perseguirem e levantarem todo tipo de calúnia contra vocês.
Alegrem-se e regozijem-se, porque grande é a recompensa de vocês nos céus, pois da mesma forma perseguiram os profetas que viveram antes de vocês". 
Mateus 5:3-12
Dessa maneira, aqueles que praticam qualquer tipo de ataque, ou atrito com o próximo*, tão pouco tem esse direito segundo a bíblia. Mesmo discordando de sua prática, de sua cultura, de sua forma de agir, desprezar, violentar, segregar, aqueles que são diferentes não faz parte do evangelho. Porque não cabe ao homem julgar, ou agir segundo preconceitos e estereótipos, e ainda menos condenar, maltratar, segundo suas próprias convicções e até mesmo segundo as concepções que se acredita dentro de uma religião. Nada é imposto, é tudo livre. Se fosse imposto não faria sentido o amor.


E para os que pensam que toda essa bondade é por um lugar no Céu... que é uma moeda de troca,... que só fazemos o bem para ir ao céu... essa troca é contra a própria idéia de consciência e amor... e todos os que fazem pela troca, são hipócritas também... já que o que importa é o Amor verdadeiro, e então essa doutrina bíblia se resume numa filosofia fundamento de aperfeiçoamento pessoal e coletivo do ser humano.

Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o sino que ressoa ou como o prato que retine.
Ainda que eu tenha o dom de profecia e saiba todos os mistérios e todo o conhecimento, e tenha uma fé capaz de mover montanhas, mas não tiver amor, nada serei.
Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas não tiver amor, nada disso me valerá.
O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha.
Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor.
O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade.
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor nunca perece; mas as profecias desaparecerão, as línguas cessarão, o conhecimento passará.
Pois em parte conhecemos e em parte profetizamos;
quando, porém, vier o que é perfeito, o que é imperfeito desaparecerá.
Quando eu era menino, falava como menino, pensava como menino e raciocinava como menino. Quando me tornei homem, deixei para trás as coisas de menino.
Agora, pois, vemos apenas um reflexo obscuro, como em espelho; mas, então, veremos face a face. Agora conheço em parte; então, conhecerei plenamente, da mesma forma como sou plenamente conhecido.
Assim, permanecem agora estes três: a fé, a esperança e o amor. O maior deles, porém, é o amor.

Enfim.... não sei se leram ou não até aqui... não vim converter... vim convencer-vos de nossa total ignorancia sobre todos esses assuntos espirituais e científicos. O mínimo é voltar a primeira lição, e descobrir-se ignorante. Saber que nada se sabe, para tornar-se sábio...rs 

Quanto a religiões e tolerância... concordo com o quadrinho...
Acho que independente do que disserem usando a religião como pretexto, segundo fonte de injustiças, como é quando enterram até a cabeça e apedrejam mulheres no oriente por serem acusadas de adultério ou lhes dão chibatadas, ou ainda até a imposição corte do clitóris, a circuncisão, a violão moral e física de todo ser humano, aliás de todo ser vivo.... eu acho que quanto a essas coisas não devemos ser tolerantes... devemos nos levantar mesmo.. com toda nossa consciência, porém sabendo que não somos sábios... e que há maneiras de interagir com as situações para transformá-las que vão além da praxis discórdia, guerras e ataques que reinam no mundo, desde as relações de estado como as pessoais, e que agindo assim se torna-se tão igual ao mal que se combate 


(+_+).

segunda-feira, 14 de maio de 2012

A CAIXA


16:20 – 02/05/2012




Nesse lugar escuro, sinto um frio. Sinto um frio passado, um calor presente, do amanhã pressinto um vento. Sentado, de pé, no mofo, no breu, no silêncio, no negro manto que cobre meu tempo vejo. Desviado das cores, quase me esqueço que elas existem, despercebo o espaço neste ex paço que já se foi, e nem um passo a mais crio, investigo, pretendo, as paredes impuseram os limites, e de dentro desta caixa, desconheço todo o mundo, sou um segredo.
O clima já foi outro. Choviam perguntas, reflexões e até algumas respostas. “Porque me puseram aqui?”, “Por que aceitei isso aqui?”, “Há quanto tempo estou aqui?”, “Quantos dias eu tenho?”, “Quanto tempo?”, Tempo.... O que é o tempo?
Dias passaram. Noites de chuva e de frio, de calor e a imagem do Sol em memória, de outono dourado em linhas inexistentes, e uma primavera imaginária de flores, que aos poucos foram perdendo suas cores, foram perdendo suas pétalas... perdendo-se os sabores... da vida, que eu nem me lembro se um dia existiu.
Perdi o teto, no calor. Perdi o tato, no frio. Perdi meus passos, meus versos, de vida, de gente, de emoção. Família, amigos, amores... Perdi o espírito, me esqueci. Me perdi, dentro desta caixa.
Não tem sentido, nem ter sentido mais... apenas espero, apenas existo, apenas sou, só... isso... acho... sou?
Ainda existo?
Ainda escuto meu respirar, e talvez ele seja o ultimo.
Meu Deus! Talvez ele seja o último!..

Foi então que perdi as forças num choque de sentido... A última gota de consciência escorreu, e se deixou cair ao chão, duro, e seu peso, em solo seco, fez do meu desejo mudo, um eco.
Som.
A caixa, que nem sabia se era um caixão, uma gaveta ou um baú de memória, se tornou acústica, que em sentido logo fez meus pelos se arrepiarem. O eco, a fresta... Meus pés se levantaram, e a memória de uma dança tomou meus neurônios, a dor em minha cabeça lembrou-me que a dor existia, e então para senti-la atirei meu corpo nas paredes, ecoando notas de dores e memória, correndo em círculos, em angulos, e sem direção... Lembrei do vento, do horizonte, e do Sol. Corpo, dança, música... som..
Meu corpo sobrevivo trombou insólido papel desta caixa, desta sela, que em selo do suor que não havia, fez nascer uma fresta.... a fresta... a chave … a fechadura se abriu, e reverberou por seu orifício toda a luz que um tempo desconhecido um dia engoliu....
Branco.
Leite, céu, sina, Sol, Luz...
A fresta ali estava, a entrada da chave. Ainda existo. Ainda sou. Ainda respiro.

Ali está a fechadura. Eis aí a minha fresta!
A possibilidade da minha fuga!




agora só me falta a chave (+_+).





terça-feira, 3 de abril de 2012

chá?

Semeia na prosa, tua calma, o silêncio e o vapor a te escutarem calada. 

Muralha d'Água

Água mole e pedra dura, tanto bate até que fura.

sopro

segunda-feira, 2 de abril de 2012

À Margem

12:24 – 31.03.2011

A história acontece e estão
À margem…
A história acontece e a margem está na história…
As margens do livro da história.
À margem dos heróis.
À margem da coroa.
A história acontece e a margem está
dentro,
na base,
nas vozes,
nas mãos,
nos passos,
À margem está.
A margem que agora virá mostrar seu rosto.
A margem entoar o canto
de um milhão de vozes em coro.
A margem te leva,
te levanta, te atinge.
A margen te possibilita.
Alicerce, vanguarda, história,
A margen te ama
Amar gente.
A mar gen te incendiará com fogo
o espírito da múltidão…
Solidificando e dissolvendo a própria margem…
a própria imagem,
Geração marginal,
Água viva!
Fogo ardente!
Sentimento incendiário,
ideal latente…
Pulsa
E no seu canto Voa!
À margem da história queimará…
E por cima das cinzas novas páginas escrever-se-á
mais, palavras e versos marginais…
por pensamentos e sonhos reais.
Vive à margem da grandeza
À MARGEM DO MUNDO
A MARGEM DE TUDO.

Amar gente.   


(+_+).

Somos

02:28 – 19.03.2011

Pois o que somos?
Guerreiros urbanos,
revolucionistas,
Companheiros, Camaradas,
Mulheres, Ativistas,
Sonhadores, Militantes,
Utopistas, Interventores…
Malucos.
Corações.
Antes de tudo, seres humanos,
com todo defeito e potencial.
Por trás de cada um, cada corpo,
cada face, máscara, bandana...
Somos corações.
Corações reunidos, dispostos a…
É o ato de aqui estarmos,
o que rompe a lógica do sistema.
E será na atitude de na rua estar,
O que fará brotar o embrião
que alimentará o espírito das multidões.
É no espírito do povo que se preserva
o espirito da mudança,
De dentro dessa massa, crua, está
o fermento do espírito que nos elevará…
Todos juntos… A multidão…
Cada uma, um, cada qual, do Ser…
Sensibilizar nossos corações reunidos
para escutarmos a música da vida.
A luta pela vida será dada pela percepção
do que há e do que há por vir.
O povo se levantará
quando o espírito estiver fermentado,
os olhos sensibilizados,
e as mãos vazias.
Quando as mãos estiverem vazias.
Os olhos nítidos,
O pulso for um,
O brado de cima recebido,
e de dentro concebido,
será posto em GRITO!

(+_+).

Dentro de mim.

Quanto mais eu me conheço, me descubro...
e vou entrando...
Descobrindo, desvendando, entrando
e cada vez mais me perdendo no que eu vou
percebendo...
Entrando e me perdendo,
Dentro de mim.

(+_+).


02.04.2012 entardecer

segunda-feira, 12 de março de 2012

Momentos

Todos os momentos tristes e felizes vieram compor os versos da nossa poesia... Sem um desses versos, o poema fica incompleto, Cada fragmento, até os aparentemente triviais, preenchem nosso Ser e sua existência, para que nosso espírito tome consciência do espetáculo que estamos tendo a oportunidade de Viver ;D

(+_+).

nenhum.











nenhum relacionamento baseado em obrigação pode ser por amor.







(+_+).

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Se eu Soprar daqui,

bate um Vento ai? (+_+).

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Despertar

10.02.2012

A espreita do despestar
observam os olhos fechados.
Se misturam,
corpo e lugar
mordendo os lábios,
e no canto da boca esperam
versos molhados.
Guardados nestes lábios.
Guardados nestas mãos estáticas.
Obra de Arte. Metamorfose.
Por trás destes olhos,
protegidos por estes ouvidos.
Utopia viva. A Voz do fogo.
Oxigenando o corpo
o pulmão envolve o coração.
Dentro destes pulsos
aguardam...
Sentimentos clandestinos.
Consciência em desatino.
Desconhecido destino
das pegadas desses passos..
A pele nunca se esquece.
O vento se manifestou,
escancarando as janelas da Alma.
Deu pra ver. Deu pra ouvir.
A Luz do Som em memória incendiária.
Despertando sonhos, aniquilando velhos neurônios,
Esfarelando o Limbo, tecendo os retalhos,
migalhas de idéias, pedaços de memória...
O manto. A bandeira. A lágrima.
O silêncio e seu velho ruído.
Resposta.
A música brota, oxigenando o sangue...
quebrando as correntes, filtrando idéias.
Um sorriso ardente.
Pupilas dilatadas a iluminar finalmente,
O Despertar.



Miserável e indigno espírito que escolhe acordar.
Pouco vale tanto a pena como vós.


(+_+).

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

quando nem mesmo o silêncio consegue ser dito.

palavras clandestinas
tentando a fuga...
engolidas, oprimidas,
mudez abaixo...
o barulho absurdo,
do tudo que não se diz.
o som absurdo,
de tudo que se diz
quando se não consegue dizer
nem mesmo o silêncio.
quando nem mesmo o silêncio consegue dizer.
quando nem mesmo o silêncio consegue ser dito.
(+_+).

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Sendo

Tudo que vomito, cuspo
esvazia,
seca,
evapora.

Tudo que mastigo, respiro,
digere,
enche,
transborda.

Tudo que sinto, percebo,
flui,
transpassa,
move.

Tudo que permito, disponho,
ressuscita,
incendeia,
vive.

(+_+).

quando o silêncio grita

Quem ouve o apito?
Quem sempre escuta?
Quem nunca ou viu?
Ressoa na mesma nota
Frequência aguda
Intensa.
INTENSA.
O espaço calado nem nota.
A dor do silêncio, e teu
Grito.
Quer dizer algo?
Tudo tem um propósito?
É sempre quente esse som.
Agudo e quente.
Não importa a estação.
Está aqui, irrompe no timpano.
Te explico o que nem sei.
Mas sei,
pois Sinto (+_+).

...incompleto

(...)
faz tanto tempo,
que as formas até se perdem,
o verbo vira substantivo
e o significado palavra.
palavra perdida,
verso solto, a deriva,...
Como uma mensagem
numa velha garrafa,
embriagada de lucidez
por seu destino incerto.
A incerteza salgada,
como lágrima...
que desliza sem tempo..
a deriva.
(+_+).

sábado, 17 de dezembro de 2011

Verdade?

Aqueles que dizem que não existe Verdade,
geralmente são os mesmos que tentam moldá-la para satisfazer seu ego e manipulá-la por seus interesses pessoais (+_+).

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Rabisco

O óleo tinge o oceano,
No meu mar de lágrimas navegam rios de risos,
Pena!
Molho na tinta e transcrevo uma fuga qualquer...
inconsciente... ausente... e o presente,
o passado, o futuro,
o ontem, o hoje, o amanhã
gritam o Agora!..
cuspo...
rabiscos forjados as cegas
Pra tentar provar que somos todos esboço do mundo,
pra ver a Vida em traços,
e fazer do Mundo o nosso Esboço
(+_+).

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Ser

Procurando formas
meus pés brincam de serem,
Palavras se desviam
dos passos que as pegadas formarem...
A terra em chamas permanece fria,
Olhos que não dizem nada.
Olhos que gritam o nada.
Nas costas, fatos em porções
de passado, amassado e cru...
As mãos apalpam o vento,
procuram algo sólido,
os mesmos dedos que se desprenderam do teu suor.
Lábios que lamentam não ter tocado
o gosto doce de tuas lágrimas.
Olhos que sentem teu cheiro,
mudos, escutam teu grito.
Os pés procurando as formas.
Pegadas burlando as palavras.
Marcas transparentes do velho cerco inexistente.
Dá pra ver o pulmão sem ar,
enrugado feito fruta seca...
As raízes transparecem.
Coluna sem parágrafo.
Verbo sem vértebra.
Tanto. Muito. Todo.
Gente amarga,
duas colheres,
15 segundos,
dissolva no leite.
Branco em caracóis translúcido.
Desfoque.
Transgênicas sílabas entre fios,
Artérias derramam aço, cobre e bronze,
Lacrimogêneos formam rios,
Tuas lágrimas agora me fazem navegar...
Pra longe...
tão distante... e lúcido
tão perto, voo rasante...
No solo teu canto marcado.
Na face tua terra líquida...
Virando tinta acrílica,
Borrando as noções do espaço.
O horizonte permanece sujo.
O horizonte permanece belo.
Por linhas tortas,
dispensa-se ilusão formosa.
A invenção da história.
Minha dor. Meu amor.

Porque o teimoso horizonte
não se permite o infinito?

Meu sonho. Meu ser.
Ser Humano.

(+_+).

terça-feira, 25 de outubro de 2011